terça-feira, 22 de setembro de 2015

Epilepsy dance











A dança é uma forma de expressão que liberta o corpo e o faz fluir no espaço enquanto parte, circunstância e contexto.
 Os corpos deixam de ter membros superiores ou inferiores e passam a ser uma massa que se difunde e trespassa o tempo em cima de um palco que  agracie
(toda a dança pede palco e olhos que a vejam)
- foi depois daquele dia que nunca mais te vi; tu a ires connosco dentro da tua mala para sempre




A música, transformadora entra pelos ouvidos até ao sangue
- sempre pensei que cristalizássemos como as frutas de Natal




E torna-se o motor do corpo: dá-lhe a melodia da força que alimenta os músculos,
os pés hirtos de fortaleza,
os tendões como vigas de homem
- hoje tive saudades e lembrei-me que prefiro o Ian Curtis a dançar do que o Mick Jagger



Os músculos das pernas como pedras,
os braços como rochas e as mãos como estradas de ferro que se abrem no ar
sem sabermos onde terminam
- que deixámos de ser nós, deixámos de




A música que se injeta no corpo do bailarino à laia de droga apocalíptica, o tempo a desfazer-se dele e ele a ser chama e eternidade
- um dia houve em que também fomos chama, um dia houve em que fomos eternidade.





Se eu não escrever sobre ti hoje

Se eu não escrever sobre ti hoje, os meus dedos vão cair à terra sem que nada nasça deles à laia de semente,   e as minhas mã...