terça-feira, 24 de abril de 2012

Amor-te (II)






Amo-te três vezes a vida toda
três vezes a bruma,
o rio
e a estrada
três vezes o mundo todo
três vezes o corpo depois do exorcismo




Amo-te três vezes a vida toda
três vezes o teu tempo
três vezes o meu
três vezes o hábito dos mortos




Amo-te três vezes a vida toda
três vezes os teus braços
três vezes o teu peito
três vezes o meu medo debaixo das unhas a gritar por nós
presos
pelo
 corpo.







1864

Maputo, 19 de julho de 1929 Avó, Dei-lhe espaço e ele foi entrando.  Como quando deixamos alguém do outro lado da porta e não a fe...