terça-feira, 24 de abril de 2012

Amor-te (II)






Amo-te três vezes a vida toda
três vezes a bruma,
o rio
e a estrada
três vezes o mundo todo
três vezes o corpo depois do exorcismo




Amo-te três vezes a vida toda
três vezes o teu tempo
três vezes o meu
três vezes o hábito dos mortos




Amo-te três vezes a vida toda
três vezes os teus braços
três vezes o teu peito
três vezes o meu medo debaixo das unhas a gritar por nós
presos
pelo
 corpo.







1 comentário:

  1. Amor-te mil vezes a vida toda mas é difícil.
    Gosto muito do poema e em particular do verso:

    três vezes o corpo depois do exorcismo

    Onde está o amor-te(|), não o consegui encontrar?

    ResponderEliminar

Das flores na boca

Já não somos os mesmos: se olhares para nós no espelho tu já não estás ao meu lado e os teus olhos são agora vermelhos. Perdeste ...