quinta-feira, 8 de junho de 2017

Quase Paris






É que se eu me sentasse eu não tinha pernas,
se eu me deitasse não havia corpo que se deitasse comigo
(comigo lá dentro porque aquele era o meu corpo e um corpo tem de nos ter lá dentro para sempre até morrermos; e não nos pode deixar sair nunca, ainda que sejamos nós a pedir-lhe)

- nós nunca podemos sair.

E.   
É que tu eras tudo, sabes? Como na Bíblia: ”O Princípio, o meio e o fim”.
Tu eras esse princípio, esse meio e esse fim, e eu não sabia que sem ti eu podia andar, que sem ti eu podia
  comer, que sem ti eu me podia vestir; como na Bíblia, os lírios do campo não têm que se preocupar com a roupa porque já estão vestidos, e bonitos, e brancos.
(eu podia recitar-te a Bíblia toda se soubesse que ficavas, daríamos passeios tolos de mãos dadas em Belém e tu cantavas para mim: não, nós não andaríamos de mãos dadas em Belém, andaríamos de pés dados porque connosco é diferente; e tu não cantarias para mim, só me enfiavas num quarto para que eu escrevesse, para que eu escrevesse sempre)


E.
E eu gostava do teu quarto.
E o que eu gostava de ti.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Da vida do corpo

Gostava de te puder contar coisas; que o sol já não se chama sol, nem a lua, lua nem os montes são mais habitados por flores nem por h...