sexta-feira, 19 de abril de 2013

Cortar os dedos






Não tenho medo suficiente de ti porque tenho medo de mim: e o meu medo é adequado às minhas necessidades .
Tenho medo de mim. Tenho medo de escovar o meu cabelo até à morte, depois do desembaraço, depois da perfeição da textura, depois da lisura e depois de depois do brilho.



Eu aqui sentada em contagem regressiva escovei o cabelo frente ao espelho até à exaustão do corpo
(dos braços)
( da mão)
( dos dedos)
( das unhas)
e dos fios últimos que pendem da cabeça.



 Eu a fechar os olhos, eu já sem cabelo porque o escovei até ao silêncio. Agora, fios e fios de cabelo a penderem como linhas magras de costura vindos da pele branca e limpa da cabeça.


Cortei o cabelo.

A aflição termina mas o resto do corpo sente falta do que ficou no chão, do cabelo morto que já não é parte nem da cabeça, nem do corpo, nem do chão.


E toda a cabeça chora, chora sem cessar.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Texto CAPAZES - A Carrilho o que é de Carrilho

A ler aqui