domingo, 14 de maio de 2017

Dos poemas que são lugares para viver

1 comentário:

  1. já me parecem angustias mais próprias de grandiloquências metafisicas, se bem há sempre quem teime a vida toda em pesar o ipesável

    ResponderEliminar

Quando os dedos me caem

quando me disseram que ias morrer, o tempo caiu-me aos pés. mas não foi só ele a ceder vida. com ele a boca, os olhos, o queixo, as sobr...