segunda-feira, 22 de maio de 2017

Pequeno-almoço






Um dia explicas-me. Um dia explicas-me porque é que te foste embora. Por que é que deixaste de existir ou por que é que nunca exististe a sério e te deixaste criar pela minha imaginação
(podias ter-me impedido de ter sido tão ridícula)

Um dia dizes-me por que raio eu.
Um dia explica-me.

Explica-me como é que te foste embora assim sem me levares agarrada a ti, como é que tiveste coragem de ir com a tua pele sem mim;  a deixares-me para trás, sentada na sala, quieta e perdida, a começar a morrer com saudades.

Daquelas saudades, sabes? Das que parece que abrem um buraco no peito para onde podes gritar como um poço: um poço preto e fundo, que de tão real podes andar a mostrá-lo ao médico e ao mundo. Que por existir, dá pena a quem o mostras, porque também eles já tiveram um poço igual a esse no meio do seu peito, no lugar onde costumava ficar o seu coração.

 Mas um dia o coração voltou a crescer-lhes e tapou o poço.
Dizem que é isso que acontece aos poços do peito. Não há cimento que os vença: só coração.



Por que é que me fizeste isto se não era para ser?
Se tu não nasceste e não era para ser.
Se tu nunca exististe e não era para ser.



Sem comentários:

Enviar um comentário