quinta-feira, 14 de junho de 2018

Algoritmo




Os meus ossos têm febre
mas eu prefiro coser a minha boca a dizer-te o que eles te queriam dizer ao ouvido
com eternidade: os meus ossos falam em eternidade
e em ti,
e e mim, à noite antes de irmos todos dormir o meu corpo.

(os meus ossos prometeram dessossar-se para te falarem de mim sem que eu soubesse: eles queriam dizer-te do amor,
mas eu cosi a boca, sabes? cosia-a para ela nunca mais se abrir )


Eles queriam falar de nós,
como se eu 
e o meu corpo não estivéssemos aqui,
aqui,
aqui sentados os dois a olhar para ti pelo vidro,
aqui, sem saber bem porquê, 

a desejar-te tanto.





1 comentário:

Dia 1

Meu querido J., Acordei com a ideia que me tocavas o rosto com a mão como se procurasses nele um caminho que é teu e que já conheces há ...