quinta-feira, 14 de junho de 2018

Se eu não escrever sobre ti hoje








Se eu não escrever sobre ti hoje,
os meus dedos vão cair à terra sem que nada nasça deles à laia de semente,
 e as minhas mãos avisaram-me que não vão aceitar outra pele;
outra pele que venha a nascer.



Se eu não escrever sobre ti agora, nem sobre os teus olhos,
nem sobre os fios que te fazem cabelo,
são as orelhas: as orelhas e logo depois o nariz a descolarem-se do meu corpo
como pessoas a cair de mim
(a minha cara a desaparecer porque a seguir o meu queixo)



Se eu não falar de ti aos outros, há uma agulha pronta
para me coser os lábios: para os bordar e fazer deles napron de sofá antigo
numa casa sozinha.


Se eu não falar de ti agora aos outros, a lua vai para Júpiter
e marte recuará a sua órbita.



Se eu não falar de ti,
se eu não te traduzir para grego, aramaico e latim,
tu nunca saberás de nada,
nada de tudo aquilo que mora aqui.

4 comentários:

  1. Prezada Inês,

    estou tomando a liberdade de copiar se belíssimo poema para meu blog. Se não for do seu desejo, eu deletarei, mas ele é muito bom!

    Um abraço

    Paulo Abreu

    ResponderEliminar
  2. Eu copiei e colei seu poema (lindíssimo) aqui:
    https://aopedapitangueira.blogspot.com/2018/06/se-eu-nao-escrever-sobre-ti-hoje-ines.html

    ResponderEliminar

AMA - a short film by Julie Gautier